Nossa História, Nossa Cidade

Ribeira tem como um dos seus primeiros povoadores o índio catequizado conhecido por Vitorino, que parte de Apiaí, por volta de 1800, e chega às terras inexploradas do Vale de Cana Verde. As informações sobre o local, por ele divulgadas, atraem novos moradores, em busca de jazidas de minérios e terras para o cultivo da cana. Organizam o núcleo a partir da construção de uma capela, que recebe o nome de Bom Jesus da Cana Verde. O emprego da mão de obra escrava na produção da cana-de-açúcar cria possibilidades para que o povoado se expanda e se transforme, em 6 de abril de 1872, em freguesia do Município de Apiaí, com o nome de Ribeira. Em 20 de outubro de 1910, é elevado a município e mais tarde, em 21 de maio de 1934, é reduzido à categoria de distrito e reincorporado a Apiaí. Obtém, definitivamente, autonomia municipal, em 3 de janeiro de 1936.

A Cidade

A agropecuária constitui a base econômica do município, que tem a capital paulista como principal destino de sua produção. Além da banana, cultura forte na região do Alto Ribeira, cultivam-se laranja, arroz, cana-de-açúcar, feijão, mandioca e milho e praticam-se as pecuárias bovina, suína e avicultura. A criação e exportação de gado são de grande importância para economia local e outras riquezas notáveis são as matas naturais, que cobrem parte do território, o solo rico em minérios, principalmente em chumbo, e as várias quedas d’água. A Cachoeira de Tororão, por exemplo, produz toda a energia elétrica consumida em Ribeira.

A Capital da Amizade, como a cidade é chamada em toda região, é habitada por um povo hospitaleiro e festeiro que está sempre de braços abertos para receber visitantes. O turismo local é constituído de caminhadas em trilha ecológica, de passeios de barco a motor e a remo no Rio Ribeira de Iguape, de cavalgadas e ciclismo em matas e fazendas, de banhos de cachoeiras e nas piscinas naturais formadas pelos riachos, da pesca esportiva e outros esportes aquáticos. Os balneários, em diversos pontos do rio Ribeira, no ribeirão Tijuco e, principalmente, no rio Catas Altas, são muito frequentados pelos moradores e população das cidades vizinhas. Catas Altas tem grande potencial para canoagem e é lá que fica a Ilha da Saudade, cuja principal atração é a Bacia de Pedra, uma piscina natural formada pela ação da água na rocha. Também chamam a atenção dos visitantes a Cachoeira dos Ricardos, que tem uma queda livre de 50 metros, totalmente conservada em seu aspecto natural, as Cavernas do Queijo Suíço e a Toca de Barro, além de outras ainda inexploradas.

Há também forte atividade artesanal, com destaque para peças em fibra de bananeira e cerâmica. Entre as festas populares, sobressaem o Ale-Rua, espécie de carnaval no sábado de Aleluia; a Festa do Divino, de São João, do Bairro Catas Altas; e São Pedro do Bairro Saltinho; a Festa do Bom Jesus da Cana Verde, na primeira semana de agosto, e as comemorações do aniversário da cidade, com programação variada, como o tradicional desfile escolar, o baile de gala e as provas esportivas.

Localização

Situado no sul do estado de São Paulo, na divisa com o estado do Paraná, é banhado pelo rio Ribeira de Iguape. A sede municipal fica a aproximadamente 150 metros de altitude e a 361 quilômetros de distância da capital paulista. O clima na região é quente e a temperatura média anual está em torno de 30°C.

Os principais acidentes geográficos são as Serras Itapirapuã, Ouro Grosso, Cordas Grandes e Cristais, cujas elevações variam de 100 a 150 metros de altitude. Entre os cursos d’água, os Rios Ribeira do Iguape, Itapirapuã e os Ribeirões das Criminosas, das Cordas Grandes, Ouro Fino, Ouro Grosso, Tijuco, das Onças, ou Janelas, e as quedas d’água Tororão, Tijuco e dos cristais.

Os municípios limítrofes são Itapirapuã Paulista, Barra do Chapéu, Apiaí, Itaoca, no estado de São Paulo, e Adrianópolis, no Paraná.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support